Aposte no bom humor para conquistar seus clientes

Todos podem notar como pessoas bem humoradas costumam levar a vida com leveza e como são agradáveis de conviver, favorecendo a formação de vínculos sociais mais estreitos. São vistas como mais receptivas e quando estamos com elas costumamos nos sentir bem. Por isso é mais fácil estabelecer uma conexão com pessoas que tenham este perfil.

 

O relacionamento entre uma empresa e seus clientes, de certa forma, traz consigo muitos aspectos de nosso relacionamento social. A fidelidade, a aceitação e o desejo de que as pessoas falem bem a seu respeito são conquistas que empresas e pessoas desejam obter em seus relacionamentos. Diante disso, empresas podem obter ótimos resultados ao comunicar-se de forma bem humorada com seus clientes.

A loja de eletroeletrônicos Ponto Frio é uma das empresas que conseguiu excelentes resultados se expressando de forma irreverente e bem humorada nas redes sociais. Ela decidiu dar vida ao pinguim de sua logomarca e é ele quem interage com os clientes no Facebook e Twitter. Os responsáveis pelos textos descontraídos são colaboradores do próprio Ponto Frio e suas postagens bem humoradas já renderam milhões em vendas e em seguidores nas redes sociais.

Marcas de medicamento contra dores de cabeça também têm alcançado grande destaque nas redes sociais usando uma linguagem nesta linha. Doril, Anador e Doralgina conseguem fortalecer suas próprias marcas ao trazer mais alegria ao cotidiano das pessoas, sempre com muito bom humor, como mostra esta premiada campanha da Anador.

O bom humor também pode estar presente em ações com clientes que não tenham o propósito de provocar inicial de provocar risos, mas somente interagir com o cliente de modo mais próximo. A campanha Whatscook da maionese Helmann’s, por exemplo, foi bem sucedida e gerou muitos comentários positivos. Nela, chefes de cozinha ajudavam clientes pelo WhatsApp a preparar pratos com o que tivessem a disposição. Quem entrou o contato com os chefes ficou encantado não apenas atendimento prestativo, mas também com a informalidade que eles demonstraram.

 

Os chefes realmente interagiam com o que você, pediam fotos do prato que estava sendo preparado e até enviavam “memes” bem humorados em alguns casos. Muitos conversaram com os chefes da mesma maneira que conversam com seus amigos, e isso ajudou a criar uma imagem positiva para a marca. E este é um trunfo do bom humor: permitir que o diálogo entre cliente e empresa se torne mais humano.

Convencido de que uma pitada de bom humor pode incrementar o relacionamento de uma empresa com seus clientes? É importante salientar que todas as marcas que usei como exemplo traçaram uma estratégia para alcançar estes resultados. Por isso, apesar de uma comunicação bem humorada envolver muita espontaneidade, é preciso ficar atento a quatro aspectos:

 

1 - Bom humor com relevância: Sabe quando em um grupo uma pessoa conta uma piada ou faz um comentário engraçado, mas totalmente fora de contexto? Alguns até podem dar uma risadinha por educação. Contudo, o sentimento geral é de que a pessoa é meio “sem noção” ou está desesperada para chamar a atenção dos demais. Acredito que não seja esta a imagem que você deseja que outros tenham de sua empresa. Portanto, fique atento ao contexto em que deseja passar uma mensagem bem humorada. Conhecer o perfil de seus clientes irá ajudar bastante a identificar se eles irão perceber esta mensagem como relevante e bem inserida em determinado contexto.

 

2 - Humor renovado sempre: Vários programas de humor ou humoristas observaram sua audiência declinar, muitas vezes em razão do público já não achar mais graça no que era apresentado. Ora, uma piada contada mais de uma vez não deixa de ser engraçada? A linguagem humorística precisa ser renovada, pois o elemento surpresa é um dos pilares do humor. Esta renovação não é fácil de se alcançar, pois temos uma tendência em copiar fórmulas que foram bem sucedidas. É preciso ser criativo e ter uma percepção de quando o humor passa a ser visto como repetitivo. Não é sem razão que o humor é percebido como um sutil sinal de inteligência social e emotiva, capaz de cativar diversas pessoas.

 

3 - Deixe o dia clarear: difícil estar de bom humor se uma pessoa só se cerca de pessoas negativas não é mesmo? Um empresário que só anda com outros que ficam o tempo todo reclamando de crise econômica e queda nas vendas provavelmente não irá conseguir estabelecer uma comunicação bem humorada com seus clientes. Por isso, por mais que a situação esteja difícil, cerque-se de pessoas positivas, veja filmes de comédia, não foque tanto em notícias ruins, leia piadas, enfim, procure levar as coisas com mais leveza. Faz bem para sua saúde e a da sua empresa.

 

4 - Dispense adaptações: todos conhecemos empresas que tentaram passar um mensagem bem humorada e acabaram sofrendo críticas por pessoas que se sentiram ofendidas. Acusações de discriminação, por exemplo, são frequentes. Tal fato acaba por deixar algumas empresas com o pé atrás ao querer se comunicar de forma bem humorada. Por vezes, podem pensar “Alguém irá se ofender se eu postar isso?” ou “Acho que seu eu escrever isto de outra forma fica melhor. Não quero ser criticado”. Novamente a inteligência emocional e social é que irá ser sua aliada aqui. Se a busca pelo politicamente correto irá deixar com que sua mensagem bem humorada perca a naturalidade melhor deixa-la de lado. Bom humor tem de estar sempre associado à espontaneidade. Claro que qualquer comunicação entre uma empresa e seus clientes deve sempre prezar pelo bom senso. Mas como diz o ator e humorista Paulo Gustavo, “a arte do humor é não se levar a sério”.

Artigo fermentado em 21/01/2016

Autor:

Mauro Rodrigues - Consultor em Inovação no Relacionamento com o Cliente

Idealizador do Fermento nos Negócios, vejo que muitas empresas poderiam ser mais ousadas ao comunicar-se com seus clientes. As que não se levam tão a sério, costumam colher ótimos resultados.. SAIBA MAIS...

Artigos relacionados

CRM - fortalecendo o elo entre a empresa e seus clientes
Veja o que o caso da tata motors ensina sobre naming